Inicio > Biblioteca > Circulares > H. Marcellin Champagnat - 04/09/1837

Sínodo sobre los jóvenes

 


 



 


Conectarse

Hermanos maristas

RSS YouTube FaceBook Twitter

 

Foto de hoy

España: 100 años de presencia marista en Segovia

Hermanos maristas - Archivo de fotos

Archivo de fotos

 

Últimas novedades

 


Llamadas del XXII Capítulo General



FMSI


Archivo de novedades

 

Calendario marista

19 octubre

Santos Pedro de Alcántara, Pablo de la Cruz, Juan Brébeuf

Calendario marista - octubre

Carta de Marcelino - 135

 

H. Marcellin Champagnat
04/09/1837 - Vol. I, n. 12
Circular 12



En otras lenguas
English  Español  Français  

O Padre Champagnat lembra aos irmãos o que a Regra remetida no começo do ano, prescreve como sufrágios à memória dos falecidos. Dois Irmãos precederam o Irmão Dorothée neste mesmo ano: O Irmão Hilaire, falecido aos 19 de março e o noviço Irmão Rupert.
Já a partir de então estabeleceu-se o costume de cantar a SALVE RAINHA, ao terminar a encomendação do defunto. (Ver outras orações e missas prescritas na primeira Regra dos Irmãos, no cap. XI, para um noviço e para um Irmão professo; também para os associados e benfeitores falecidos.)

Meus caríssimos Irmãos,
O Senhor acaba de chamar a si o nosso querido Irmão Dorothée. Desde faz muito tempo uma dor no peito exercitava sua paciência e aumentava seus méritos, quando uma hemoptise das mais violentas o obrigou a ficar de cama.
Ele constatava, sem se inquietar, a dissolução de seu organismo e experimentava o desejo ardente de ir celebrar no céu com os Anjos e Santos a Assunção da Santíssima Virgem.
Passada a Festa, cessaram completamente os vômitos de sangue. Nosso querido Irmão aproveitou da trégua que lhe dava a doença, para se preparar para a hora derradeira. Que placidez! Que tranqüilidade! Que alegria deixou ele transparecer durante este intervalo, sobretudo no último dia de sua vida!
Foi num sábado, dia 2 de setembro. Já de manhã cedo recebeu os últimos sacramentos. Nunca pareceu tão feliz, ocupado como estava inteiramente com o bom Deus. Sua alma só esperava, por assim dizer, as últimas preces da Igreja, para levantar vôo. Pelas três horas da tarde, foram-lhe aplicadas as indulgências e durante a recomendação de sua alma, adormeceu tranqüilamente no Senhor.
Todos os que presenciaram esta morte lhe têm inveja. Todos querem à porfia ficar junto dele.
O enterro foi hoje, dia 4 de setembro, com todas as cerimônias prescritas para um Irmão professo. Estamos agora avisando a todos para rezarem por ele as preces marcadas no Cap. XI, art. 3, no 2 e 3 da Regra.
Sem dúvida é a primeira vez que vocês cumprem, prazerosos, este dever para com um Irmão que nos é tão caro e que podemos contar no número de nossos intercessores junto à Mãe de todos nós.
É deste modo, meus caríssimos Irmãos, que nós recolheremos o que tivermos semeado. Tal vida, tal morte! Tal morte, tal eternidade. Deus nos chamou a sermos santos. Portanto, eu conjuro vocês a progredirem cada vez mais em seu amor, a porfiarem em viver na sua paz, a se esmerar cada qual naquilo que for de seu dever, a fim de que tudo o que está em vocês, espírito, alma e corpo, tudo se conserve sem mancha para a vinda de Nosso Senhor Jesus Cristo (Cf. 1Ts 4 e 5).
Aguardando o prazer da chegada de vocês, eu vos abraço mui afetuosamente nos Sagrados Corações de Jesus e de Maria.
Champagnat

2321 visitas