Home > E-maristes > Circulars > Br. Benito Arbués - 31/10/2000



Wherever you go

Rule of Life of the Marist Brothers


 



 


Social networking

Marist Brothers

RSS YouTube FaceBook Twitter

 

 


Calls of the XXII General Chapter



FMSI


Archive of updates

 

Marist Calendar

9 July

Saint Augustine Zhao Rong & companions

Marist Calendar - July

A propósito de nossos bens

 

Br. Benito Arbués
31/10/2000 - Vol. XXX, n. 4
Circular 406

Download WORD (130 kb)

In other languages
English  Español  Français  

Por que escrevo esta carta? (n. 1 –2)
Contexto desta reflexão
a) Consciência que tenho da variedade de situações do Instituto (n. 3)
- Variedade de contextos sociais, culturais e econômicos
- Variedade de responsabilidades frente aos Irmãos e frente às obras
- Diferenças na capacidade econômica e de organização das Províncias
- Variedade de concepções sobre a “pobreza” e sobre a relação entre “eficácia e qualidade apostólica e recursos econômicos”
b) Minha história pessoal (n. 4)
c) A reflexão do Conselho Geral (n. 5)

I. OS BENS DO INSTITUTO E SEU DESTINO
De onde nos vem o dinheiro hoje?
Algumas coisas que mudaram e suas repercussões (n. 6)
- As novas formas de conseguir dinheiro e aumentar os investimentos gerou um ambiente totalmente novo para nossa vida religiosa
- A facilidade com que nos vem o dinheiro pode criar-nos também dificuldades no campo da formação
- Até mesmo nos novos projetos com os pobres devemos estar atentos
- O dinheiro também leva ao poder
O uso e destino atual dos bens no Instituto (n. 7)
Os bens a serviço da Vida dos Irmãos (n. 8)
- Nosso estilo de vida: a localização das Comunidades e os recursos
- Separar a gestão econômica
- Apelo a um estilo simples e profético de vida
Alguns critérios e pistas de reflexão e de ação (n. 9)
Os bens destinados à Missão (n. 10-14)
- Em que aplicamos o dinheiro?: valorizações e pistas de reflexão e de ação
- As palavras-chaves são missão e destinatários
- Discernir projetos a partir da perspectiva evangélica
- Algumas sugestões sobre as obras
Solidariedade: partilhando inclusive o que nos convém guardar (n. 15 –16)
- As razões de sempre: os planos de Deus e os apelos do Evangelho
- A força dos apelos atuais: as diferenças são mais visíveis, mais visíveis também as possibilidades
- Dar passos concretos: as exigências para nossa Vida e nossa Missão
Alguns aspectos nos quais percebo avanços (n. 17)

II. ADMINISTRAR OS BENS COM CRITÉRIOS EVANGÉLICOS
Sentir-nos e ser humildes administradores (n. 18-20)
A administração: transparência e orientação evangélica (n. 21)
Acompanhar pastoralmente novas formas de dispor do dinheiro (n. 22)
III. ASPECTOS QUE NECESSITAM DE DISCERNIMENTO E CONCRETIZAÇÃO
Na Vida dos Irmãos e Comunidades (n. 23-25)
- O nível de vida das Comunidades: os lugares, as casas, os equipamentos, o serviço, os gestos, os orçamentos
- Algumas sugestões
A capitalização: Que quantidade de dinheiro necessitamos guardar? (n. 26)
1. Com relação aos fundos da Província: três grandes áreas de reflexão
2. Critérios para orientar a reflexão sobre capitalização
3. Fazer um estudo e discernir posteriormente o sistema e os critérios administrativos da Província e a organização e funcionamento que convém aplicar
4. Aspectos concretos sobre o plano de “capitalização”
Conveniência de estabelecer auditorias (n. 27)

CONCLUSÃO (n. 28)
a) Revitalizar nosso carisma
b) Optar é decidir
c) Confiar na Providência

ANEXO-1 SUGESTÕES PARA UMA REUNIÃO COMUNITÁRIA

ANEXO-2 SOBRE O USO EVANGÉLICO DOS BENS
esquema da reflexão realizada no Conselho Geral

3567 visits